quarta-feira, 23 de outubro de 2013

May the Force be with you



Uma grande e querida amiga passou por uma experiência que fez as delícias do inusitado, arrancou umas belas de umas gargalhadas e acredito que algum rubor na escrita de um auto de polícia: decidiu alugar a sua casa. Uma casa onde viva com as suas três maravilhosas crianças que brincavam entre os Playmobil e o jardim onde se erguiam sardinheiras, uma baliza e uma casinha para brincar. Da rua viam-se umas janelas cheias de charme decoradas com cortinas brancas debruadas com bordado inglês, mas era ao entrar que se sentia o calor de uma lareira, um cheirinho a pão-de-ló acabado de fazer, ou seja, aquelas paredes tresandavam a lar.

Passando todos os pormenores da escolha do arrendatário e contrato de habitação, a minha amiga descobre que a sua casinha, o seu lar que teve que abdicar por causa da “troika”, havia sido transformado num palco de prevaricação sexual e práticas sado-maso. Quando ela me liga, lavada em lágrimas a contar o sucedido, eu, Força Suprema me confesso, que entre a voz preocupada e atónita que lhe fiz para reconforto de tamanho desgosto, agarrava o nariz, ao ponto de quase ter um derrame cerebral por conter as gargalhadas que tanto queriam rebentar. 

Entre a expulsão dos arrendatários à remodelação da casa que foi tomada por algemas, cartões de consumo, colchões laváveis, correntes, máscaras à lá moulin rouge, paredes negras, a EDP a abastecer a pilha do vibrador, e, segundo o auto da polícia e passando a citar, “por uma publicação intitulada ‘Orgasmo’ (…) e um pouf com vibrador central telecomandado” perguntei à minha amiga se ela ia voltar a viver na casa, procurando desmistificar a coisa. “Sabes? Já não sou capaz. Não me sinto confortável. Adoro a casa, lá fui feliz, mas sinto que não me consigo desligar daquelas imagens e levar para lá os meus filhos”

Porque vos conto isto? Acima de tudo para vos entreter, para arrancar um sorriso por pequeno que seja. Mas também como forma de vos dizer que A Força Suprema vai encerrar esta alimentação de conteúdos que gerou tão estimulantes interacções e relações virtuais – algumas delas tornadas reais e, consequentemente, ainda mais enriquecedoras. 

Tal como todos os pormenores da escolha do arrendatário e contrato de habitação vou passar à frente as razões que me levam ao encerramento deste espaço onde partilhei tanto a frugalidade como a intimidade, apimentados com sarcasmo, humor, tristeza, hipérbole, mau génio e desabafo. Este é precisamente o paradigma desta forma de comunicar, destas plataformas: ter a liberdade, sem medos e remorsos, de nos exprimirmos pela escrita, um poder incrível que temos em mãos para nos organizar ideias e eternizar emoções ou “estórias” que queremos contar “apenas porque sim”.

Hoje, apesar de ter sido alvo de monitorização e de conclusões pela rama, essa liberdade até existe, mas, tal como a minha amiga me disse, “Sabem? Já não sou capaz. Não me sinto confortável”. 

Fica aqui o meu profundo agradecimento aos meus queridos e fiéis acompanhantes das Forças e Forcas que me vi embrulhada e deixo aqui uma especial dedicatória à personagem que tantos posts motivou e que construí, apenas por prosa: o Jumento. O Jumento, na plataforma real, nada de tem a ver com asno. É um verdadeiro Amigo, parceiro de equipa e grande Homem por quem estive perdida de amores por mais de metade do meu tempo de vida.

Como testemunho ficam os meus maravilhosos filhos, a complexidade dos momentos logísticos de quem colocou filhos no mundo - e que ainda assim conseguem ser sempre agradáveis - e um blogue que, entre bons amigos e relações que tenho desenvolvido, testemunha o quão oneroso foi para mim assistir à falência de um amor, bem como o quão maravilhosa, rica e apalermada consegue ser esta minha existência. Ou seja, testemunha uma mulher perfeitamente normal.  

Assim, meus queridos, May the Force be with you! 
**saindo com aquela respiração perturbadora do Dark Vader **

(May the Force be with you, nem que seja por aqui: aforcasuprema@gmail.com)


3 comentários:

o anão gigante disse...

Acho mal.

Flávio Agazzi disse...

Muito top..

Parabéns!

FLAVIO AGAZZI

portuguesitos sim trabalho hoje e sempre disse...


***THIS IS A PUBLIC SERVICE ANNOUNCEMENT:****

Portugal is the Biggest Racist country that i have ever lived in. I feared for my life there and i consider myself lucky that my family got out alive! I have never lived in such poverty (Sopas dos Pobres everyday) 40% unemployment rate and 60% of the population earn less than $932 USD per month, and that's considered Middle Class here! Within the European Union it is the worst of the worst place to live.

The bottom line is the bulk of the People in our poor country exist in a brainless comma that is fed by Ignorance, anti-Spanish hate, and severe Racism of pretty much everybody that isn't Portuguese! And, Portugal started the Global Slave Trade in 1441 so it is definitely NOT a safe place for Blacks!!

I found important websites that explain the Severe multi-generational Racism and Hate that exist in Portugal today, and i highly encourage all to read them and spread the word in order to avoid innocent, and desperate people from living or visiting there. Get educated on the Truths about Racist Portugal now.

PORTUGAL IS THE BIGGEST, RACIST, ANTI-SPANISH COUNTRY ON THE PLANET!

I HEREBY ALERT ALL PEOPLE ON EARTH TO NOT BUY FROM PUTUGAL, DO NOT SPEND YOUR HARD, EARNED MONEY GOING THERE AND BOYCOTT ALL PORTUGEE STORES IN YOUR AREA! DON'T BUY THEIR GOODS OR WINES!!!

THESE XENOPHOBIC RACISTS HAVE TO LEARN AND THE BEST WAY IS TO BLOCK THEM ECONOMICALLY!

BE CAREFUL FRIENDS!

+++FEEL FREE TO ADD MY BLOG LINK AND PICTURES TO YOUR BLOG OR WEBSITE FOR FREE! IT IS IMPORTANT TO TELL PEOPLE THE TRUTH ABOUT PUTUGAL!!+++